segunda-feira, 14 de maio de 2018

Poesias populares de Augusto dos Anjos - Vídeo


Compartilho com vocês através do quadro lírica, caros leitores, algumas grandiosas obras desse poeta que soube usar as palavras de acordo com suas necessidades, encantando até hoje um público tanto jovem quanto mais velho mundo à fora. Recomendo o uso de fones, ouça... deixe o sentimento fluir e reflita juntamente com as palavras.

Não deixem de se inscrever no Mortalha Produções clicando aqui.

O canal esteve parado por um tempo, porém começarei a trazer novos conteúdos na medida do possível (o tempo posui asas, e está sempre voando).

EuTeConto - A parceria continua firme e forte

euteconto, blog mortalha, vídeos de terror, terror, horror

Já faz um certo período de tempo em que não posto mais vídeos do canal EuTeConto aqui no Mortalha por dois motivos, o primeiro é o fato de ter perdido o contato com a Amanda (criadora do EuTeConto) e o segundo é que estive um tempo afastado do blog, tempo esse que já sei foi.

O Blog Mortalha possui uma parceria com o Canal EuTeConto desde 2015, vocês podem ver nas categorias daqui do blog que há uma dedicada especialmente para os vídeos que divulgo/divulguei do EuTeConto.

Enfim, mês passado recebi um e-mail da Amanda com uma playlist dos novos vídeos que foram publicados, e para provar que nossa parceria continua firme e forte trago hoje cinco vídeos do canal para vocês, caros leitores, desfrutarem.

 Semanalmente estarei trazendo algumas compilações de vídeos do EuTeConto, no mais, espero que façam um bom proveito deste ótimo conteúdo.

[Rumo aos 100.000 inscritos]

domingo, 13 de maio de 2018

DANTE 01 - Prisão Espacial

 dante 01, prisão espacial, filmes ficção científica, análise de filmes

"Tudo começou no fogo, no fogo primitivo, no fogo do inferno. Como na garganta do dragão, como em um conto de fadas. Não só aprendemos, com os contos de fadas, que dragões existem... mas que podem ser derrotados."

Em seu terceiro longa, DANTE 01, lançado em 2008 na França, o diretor Marc Caro nos trás uma ficção científica bem louca juntamente com o produtor Richard Grandpierre, a trama se passa em um futuro desconhecido; Mais especificamente em uma estação espacial que orbita um planeta em chamas chamado Dante, a nave detém perigosos criminosos e doentes mentais que são sujeitos à experimentos.

A tal estação tem sua rotina alterada quando dois novos habitantes chegam à nave: Elisa (uma psico-geneticista) e um prisioneiro sem nome (apelidado de São Jorge) que possui incríveis poderes e habilidades psíquicas.

Quem comanda a estação é um sujeito chamado Charon, que está sempre monitorando tudo e dando ordens juntamente com sua parceira Perserphone,  especializada em psicologia criminal.

O objetivo central ali é realizar experimentos nos prisioneiros, com o intuito de obter avanços em seus estudos e, de certa forma, "curar" os prisioneiros.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

O renomado ocultista Eliphas Levi

eliphas levi, ocultismo, blog mortalha, magia

O abade francês Alphonse Louis Constant, conhecido nos meios ocultistas como Eliphas Levi Zahed (tradução hebraica de seu nome), é considerado por muitos, o mais importante ocultista do século XIX. 

Eliphas nasceu no dia 8 de fevereiro de 1810 em Paris, filho do sapateiro Jean Joseph Constant e da dona de casa Jeanne-Agnès Beaupurt. Possuía uma irmã, Paulina-Louise, quatro anos mais velha.

Quando pequeno, Levi possuía grande aptidão para o desenho. Mesmo assim, seus pais o encaminharam para o ensinamento religioso aos 10 anos, quando ingressou no presbitério da Igreja de Saint-Louis em L'Île, onde aprendeu catecismo com o abade Hubault. Aos 15 anos, devido ao seu brilhantismo e dedicação ao sacerdócio, foi encaminhado ao seminário de Saint-Nicolas du Chardonnet, e começou a se aprofundar nos estudos linguísticos de forma tão notável que logo lia a Bíblia em sua versão original. 

Em 1830, foi cursar filosofia no seminário de Issy. Mais tarde, ingressou em Saint-Sulpice para estudar teologia.

igreja de Saint-Sulpice

Acima vocês podem ver uma fotografia da igreja de Saint-Sulpice, onde Eliphas Levi estudou teologia, na França.

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Os 72 demônios da Ars Goetia

Ars Goetia, Demônios, Daemons, Ocultismo, Demonologia, Magia, Feitiçaria

Antes de ler essa matéria, recomendo que leia um artigo que escrevi há uns dias atrás sobre o Lemegeton e a Ars Goetia, dessa forma, compreendendo o assunto de uma forma mais abrangente: 


Os espíritos da Goétia são entidades que existem desde os primórdios da humanidade e nunca tiveram vida física (nunca foram encarnados). Existem 72 espíritos, cada um deles possuí determinadas habilidades para auxiliar os humanos em realizações neste plano físico. 

É muito mais fácil definir o que um Daemon faz do que dizer o que ele é exatamente. Para isso, existem algumas teorias dentre muitas que explicam o que são os Espíritos da Goetia, quais suas origens e como realizam os nossos desejos.

Confira abaixo algumas das definições dadas a essas entidades.



ESPÍRITOS INFERNAIS 

Como o próprio nome já diz, a teoria dos Espíritos Infernais pressupõe que os Daemons são dêmonios do inferno que são evocados para relizar os desejos humanos. O ritual de evocação abre um portal que liga a região do inferno onde o daemon solicitado se encontra e a terra. Esta teoria é muito difundida e trata os Daemons como entidades únicas e muito perigosas se evocadas sem cuidados.



ENERGIAS PERSONIFICADAS

Esta teoria diz que os Daemons são energias onipresentes neste mundo. Estas energias representam os fênomenos da natureza que através do ritual de evocação se manifestão personificadas. A energia que se manifesta é consideada uma faceta da energia existente, isso explica como o mesmo Daemon pode se manifestar em varios lugares ao mesmos tempo.



MATERIALIZAÇÃO DE NOSSO SUBCONSCIENTE

De acordo com esta teoria, os Daemons são parte do nosso subconsciente e o ritual é um processo que faz com que nosso subconsciente se ligue ao nosso consciente. Desta forma a realidade pode ser alterada dentro do que é possível. Trata-se da materialização dos nossos desejos e explica o motivo de uma mesma evocação ter efeitos diferentes para pessoas diferentes.


segunda-feira, 7 de maio de 2018

Magia do Caos - Nada é verdadeiro, tudo é permitido

Ars Goetia, Demônios, Daemons, Ocultismo, Demonologia, Magia, Feitiçaria

O conceito de Magia do Caos (derivado diretamente do Caoísmo) é relativamente recente, tendo origem em West Yorkshire, na Inglaterra, nos anos 70 do século XX. Influenciada pelas práticas thelêmicas de Aleister Crowley e as inovações Austin Osman Spare, a Magia do Caos é primeiramente uma prática que abrange diversos sistemas mágicos. Trata-se de uma das tendências modernas em ocultismo, construída com base na rejeição de qualquer forma de dogmatismo e a primazia da experiência mágica pessoal (que pode, por outro lado, incluir sistemas existentes). 

O movimento de Magia do Caos se originou no final de 1970 na Inglaterra, e até a década de 1990 permaneceu no meio underground; a sua ocorrência está associada ao crescimento do interesse no oculto entre as comunidades de jovens, e à subcultura. A máxima central deste tipo de prática é "se funciona, usa-a". A Magia do Caos usa o estado de Gnose, através de práticas como meditação, música, dança, uso de ervas, dor, ou orgasmos, como forma de realizar práticas divinatórias ou outras práticas mágicas. Os Magos do Caos acreditam que conseguem moldar a realidade, ascendendo a estes estados de consciência e projetando (ou lendo) imagens ou pensamentos.

Magia do Caos, Nada é verdadeiro tudo é permitido, Ocultismo, Estrela do Caos

Apesar de algumas práticas serem diretamente relacionadas à Magia do Caos (tal como o uso de "sigilos"), este tipo de práticas é normalmente baseado em sistemas de crenças individuais, e de base adogmática. Alguns Magos do Caos acreditam que algumas destas práticas constituem uma forma de paradigma de pirataria (Lifehacks). Algumas fontes comuns neste tipo de inspiração incluem áreas diversas como ficção científica, teorias científicas, teorias da conspiração, xamanismo, filosofia oriental, religiões, e experiências individuais. Apesar de enorme variação, os Magos do Caos frequentemente trabalham com paradigmas caóticos, incluindo humorísticos, como Hundun do Taoísmo e Éris do discordianismo.

A Magia do Caos é caracterizada pelo uso de ambas as técnicas tradicionais, baseadas em sistemas místicas orientais e ocidentais já existentes, e novas, desenvolvidas pelo próprio magista. Entre estes últimos, deve-se notar o método de sigilação de Austin Spare, além de conjuntos próprios de símbolos mágicos (estrela do Caos, Caosfera, conceitos probabilísticos e imutabilidade, entre outros). Outra característica, de acordo com os próprios seguidores, é o amplo uso de estados alterados de consciência, incluindo transe e alguns estado de êxtase que os proponentes da Magia do Caos chamam de Gnosis (não confundir a compreensão do termo com a sua interpretação tradicional hermética). Para atingir este estado, os magistas podem utilizar drogas ou práticas sexuais, entre outros métodos.

domingo, 6 de maio de 2018

Austin Osman Spare - O Artista do Caos

austin oman spare, magia do caos, caoísmo, ocultismo, magia, blog mortalha

Austin Osman Spare (1886-1956) é considerado um gênio das artes, tanto mágicas quanto da pintura. Nascido no dia 30 de dezembro de 1886 em Snowhill, Londres, Spare veio a falecer em 15 de Maio de 1956, num hospital em Londres aos 67 anos de idade.

Impressionou muitos ao ingressar aos dezesseis anos de idade, no Colégio Real de Arte em Kensington, demonstrando mesmo com sua pouca idade um enorme talento.

Austin Osman Spare: O Artista do Caos

Envolveu-se em sua adolescência com uma mulher a quem se referia como "Mrs. Paterson" que clamava ser uma bruxa descendente das bruxas de Salem, esta mulher assumiu uma grande posição na vida de Spare, que se referia a ela como "Witch Mother" (Mãe Bruxa).

A Senhora Paterson era considerada pela sociedade Vitoriana como sendo uma bruxa, essa senhora não apenas ensinou Spare a visualizar e evocar espíritos e elementais, como também o iniciou na via sabática, no qual durante um encontro, recebeu seu nome "Zos".

No ano de 1908, após uma exibição na galeria Bruton em Londres, atraiu a atenção do Mago Aleister Crowley (clique AQUI para ler sobre ele) que prontamente o convidou para ilustrar as edições de sua revista "Equinox", sendo então, guiado por Crowley para Astrum Argentum, uma sociedade mágica conhecida como "A Estrela de Prata".

Porém Spare era dotado de um gênio indomável e logo voltou-se a seu próprio sistema mágico e à conclusão de seu mais conhecido livro "O Livro do Prazer".

Quando em 1916, Spare ingressou no exército como um artista oficial, não imaginava-se que sofreria um acidente, que paralisaria todo seu lado direito do corpo. Muitos sequer acreditavam que ele voltasse a desenhar ou pintar novamente, mas seis meses após isso, estava novamente desenhando e pintando habilmente. Fato esse que por muitos era atribuido a Spare e seu contato com elementais e espíritos.

Em 1948 encontra-se com Kenneth Grant, inicia então seu grimório definitivo conhecido como "Zos Kia Cultus", não finalizando por sua morte em 1956. Spare morreu em 1956, em um quarto de porão em Brixton (Inglaterra), pobre e desconhecido.

Por muitos é considerado o Avô da Chaos Magick (Magia do Caos - clique AQUI para saber mais), uma vez que suas idéias e técnicas foram uma das maiores influências para a criação desse sistema/paradigma moderno de magia.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

10 casos relevantes para o estudo da ufologia

Ufologia, Blog Mortalha. Extraterrestres, Alienígenas, ETs, Aliens, Ovnis, Ufos

Muita gente acredita em discos voadores. Mas também tem muita gente que não acredita. Claro que nem tudo que parece ser disco voador, realmente é. Mas é inegável que tem certos casos onde é muito mais improvável a hipótese cética do que admitir que ufos voam por aí. Muita gente me pergunta: Ah, mas o que faria um ET sair lá da PQP pra vir aqui na Terra? Só olhar? E por que eles não entram logo em contato. Pra essa pergunta, existem dezenas de respostas que vão da mais simples à s conjecturas mais complicadas, envolvendo antropologia, sociologia, política, etc. 

Mas a resposta que eu mais gosto é a que estabelece um paralelo com nosso mundo.

"É legal ir ao jardim zoológico para olhar os animais, e nem por isso tentamos falar com o hipopótamo."

Como é praticamente impossível provar a existência dos ufos de uma maneira completamente irrefutável, dada a inconstância e erraticidade do fenômeno, a solução é continuar catalogando as ocorrências e tentando documentá-las da maneira que for possível para um cruzamento de informações e estabelecimentos de hipóteses.

São eles:

1- A noite Oficial dos Ufos
2 - Vôo 169 da VASP
3- Caso Villas Boas
4 - Operação Prato
5- Caso Saliut: Contato no espaço
6 - Caso Baependi
7 - Caso Travis Walton
8 - Caso Thomas Mantell
9 - Caso Westendorff
10 - Caso Crixás

Vamos ver um por um,
começando por…


Vestidos para a sepultura: O uso da mortalha ao longo dos séculos



A preparação do corpo do defunto para a última viagem englobava um
aspecto importante, o qual era geralmente por ele determinado quando
da elaboração do testamento. Por meio do estudo analítico de uma
amostra de 250 testamentos bracarenses do século XVIII, tornou-se possível
avaliar, ou pelo menos antever, o momento em que seus restos mortais eram
envolvidos nas vestes que o amortalhavam. 

É certo que nem sempre as determinações dos testadores eram respeitadas na íntegra. Mas como esses casos eram a exceção, e na falta de outras fontes documentais, cremos que os dados obtidos em testamento refletem em grande medida a realidade.

 Ao longo dos séculos, as mortalhas utilizadas pelos defuntos, com as quais eram sepultados,conheceram uma evolução importante. Se, na Idade Média, pelo menos desde o século X, os defuntos eram geralmente revestidos com um simples sudário ou lençol, a partir da Idade Moderna difundiu-se no mundo católico o costume de amortalhar os cadáveres com o hábito de uma ordem religiosa.

 O uso dos hábitos referentes aos santos fundadores ou padroeiros de uma
congregação religiosa, como mortalha, tinha uma função cristã escatológica.

O objetivo era garantir a intercessão desse santo junto a Deus, como forma
de assegurar a salvação eterna do indivíduo que envergasse essa veste envolvendo seus restos mortais.

A imagem histórica do Diabo na MPB

A Participação do Diabo na MPB

Krig-há Bandolo! A imagem contemporânea do diabo como um ser pessoal que lidera uma legião de demônios – seres também pessoais, de caráter maléfico e destrutivo - e que trabalha ativamente na sociedade e em algumas pessoas tem origem no dualismo persa. Contudo, foi durante o período medieval que tal imagem se cristalizou no inconsciente coletivo do Ocidente, como bem demonstra Jean Delumeau em seu estudo sobre a história do medo no Ocidente

Isso se deu gradativamente e atingiu seu auge durante as diversas crises que assolaram a Europa após o ano de 1300. As pestes que dizimavam multidões, a vitória dos muçulmanos sobre tropas cristãs nas regiões do mar adriático e a posterior perda de Constantinopla fizeram com que a Europa mergulhasse no que Delumeau chamou "choque psicológico coletivo". 

Diversos teólogos sentiram a ameaça da cristandade sitiada e passaram a procurar explicações teológicas para a crise. Desde então, o diabo - que antes se pensava derrotado definitivamente por Cristo - começou a ganhar mais destaque. Ao seu poder eram atribuídas todas aquelas ameaças. Delumeau mostra como o medo passou a ser um sentimento onipresente na cristandade. 

Nesse clima de insegurança coletiva aumentou a desconfiança para com tudo o que fosse diferente, exógeno e que não se enquadrasse ou não pudesse ser explicado satisfatoriamente pelos quadros conceituais da teologia da época. Nesse período desenvolveu-se em grau extremo a satanização de muçulmanos, judeus e mulheres.

Naturalmente, a figura do diabo já existia, mas diante da superioridade religiosa do cristianismo, não incomodava muito. Era uma entidade vencida, derrotada ou "amarrada" conforme a linguagem do Apocalipse. Mas as sucessivas crises medievais cooperaram na reabilitação de sua importância funcional e na crença de que ele estava livre e agindo através de várias artimanhas no mundo a fim de desestabilizar a sociedade. Todos conhecemos, ao menos em parte, as diversas histórias da inquisição, torturas, fogueiras acesas e dos mecanismos pelos quais se interiorizava a crença no diabo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...