quarta-feira, 8 de maio de 2019

É descoberto túmulo egípcio de 4 mil anos que parece recém pintado

Antigo Egito, Arqueologia, Egiptologia, Arqueologia, Mistérios, Cultura, Antiguidade, Faraós, Mistérios do Egito, Civilizações Antigas

Todo mundo já conhece as proezas arquitetônicas e artísticas dos antigos egípcios e, isso diz respeito não apenas à criação das incríveis obras, mas sobretudo à preservação das mesmas, que sobrevivem a alguns milênios, sem falar da cultura e do conhecimento incrivelmente avançado desse povo. Na semana passada, o Ministério de Antiguidades do Egito revelou uma tumba tão preservada, com relevos e cores ainda tão vivas, que parece recém pintada. Porém, pasmem: 

Esta fantástica obra de arte foi pintada há mais de 4 mil anos!

(clique em "mais informações" para conferir o artigo completo)

Antigo Egito, Arqueologia, Egiptologia, Arqueologia, Mistérios, Cultura, Antiguidade, Faraós, Mistérios do Egito, Civilizações Antigas

Aparentemente o túmulo pertence a um oficial chamado Khuwy – nobre da Quinta Dinastia, período que abrangeu o século 25 a 24 aC. Para inaugurar esta mais “nova” tumba, o ministro al-Enani convidou 52 embaixadores estrangeiros, adidos culturais e a famosa atriz egípcia Yosra, para, assim como nós, se impressionarem com as vívidas representações (e realmente é algo de impressionar a qualquer um, porém se tratando de egiptologia, nada mais me surpreende tanto, relembremos as pirâmides).

Antigo Egito, Arqueologia, Egiptologia, Arqueologia, Mistérios, Cultura, Antiguidade, Faraós, Mistérios do Egito, Civilizações Antigas

Antigo Egito, Arqueologia, Egiptologia, Arqueologia, Mistérios, Cultura, Antiguidade, Faraós, Mistérios do Egito, Civilizações Antigas

Localizado na necrópole de Saqqara, localizada no sul do Cairo, este túmulo é tão grandioso que possui até um túnel de entrada, geralmente apenas encontrado nas pirâmides. Os tons bem preservados são cores associadas à realeza, que, juntamente com as características estruturais únicas, levaram os arqueólogos a acreditar que talvez Khuwy tivesse um relacionamento com Djedkare Isesi – o faraó daquele período, cuja pirâmide está localizada nas proximidade. 

Isso me faz refletir, quantas maravilhas e obras ocultas ainda não foram descobertas pela humanidade, não me refiro apenas a cultura egípcia, mas a cultura mundial, afinal, achamos conhecer bem o mundo (e até mesmo o universo), porém o que sabemos não passa de um grãozinho de poeira em meio ao deserto do Saara, convém-me recitar Sócrates: "Só sei que de nada sei".


Adaptado de: Hypeness

2 comentários:

Expresse sua opinião, ela é bem vinda!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...