quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Altar Mágico: O que é e como montá-lo?

Altar para rituais de bruxaria.

Um dos pontos fundamentais na vida de um bruxo é o seu altar. 

Antes de começar esse artigo é válido ressaltar que existem diversos tipos de altares assim como formas variadas de montá-lo, variando da vertente em que se trabalha, por exemplo, existem altares de Umbanda, Wicca, Quimbanda, Goétia, e por aí vai, assim como os objetos a serem postos no altar, vão depender do magista em si.

Por trás disso, há uma base para todo e qualquer altar, que se relaciona aos quatro quadrantes, quatro elementos, instrumentos, enfim, coisas essenciais sem as quais a magia não acontece. Nesse artigo será abordado o conceito do altar mágico, sua utilidade e como montá-lo.


A vertente abordada será da Wicca, porém os conceitos são válidos para quase todo tipo de altar, o intuito principal é orientar os leigos no assunto, dissertando de uma forma simples e elucidativa, portanto, vamos lá.



CONCEITO

O altar representa o bruxo fisicamente em termos de sua prática mágica, pois com o uso do seu altar e de seus instrumentos, o bruxo molda a sua realidade e a estabelece no plano astral com a finalidade de que se concretize no plano concreto. 

Ao construir uma relação e prática com o altar, o bruxo pode descobrir e desenvolver a sua magia, práticas e devoção por meio do uso de seus instrumentos, pois cada instrumento de seu altar é uma representação dos elementos universais: Espírito, Terra, Ar, Fogo e Água.



Pentagrama representando os quatro elementos e a quintessência (o espírito divino).

Pentagrama representando os quatro elementos e a quintessência (o espírito divino).

 Para que se construa um altar, é necessário saber quais são os instrumentos que são geralmente utilizados nele. 

Há tradições que só permitem o postulante ter instrumentos no altar depois que é iniciado, então ele representa os elementos com outros objetos. Podem ocorrer variações de objetos no altar dependendo da vertente da Bruxaria que se siga ou da preferência opcional do bruxo (como citei acima).




MONTANDO O ALTAR MÁGICO


EM QUAL DIREÇÃO MONTAR O ALTAR?

Em algumas Tradições, o altar é montado na direção Leste, pois eles relacionam com o elemento Ar em que se estabelece a Vontade e onde o sol nasce. Outras Tradições montam o altar na direção Norte, pois está associado com o elemento Terra, pois ela é a Concretização e à Mãe Terra. 

As duas formas são válidas, porém é recomendável se fizer parte de uma Tradição, seguir a direção a qual é associada na Tradição, pois assim estará em harmonia e coerência com a egrégora a qual a Tradição celebra.



Os quatro quadrantes e seus respectivos elementos, com dois dragões no centro (Yin Yang) representando a dualidade.

Os quatro quadrantes e seus respectivos elementos, com dois dragões no centro (Yin Yang) representando a dualidade.

Para se descobrir a direção a qual se deve montar o altar, pode-se utilizar uma bússola. Ela permite localizar as direções básicas Norte, Leste, Sul e Oeste. 

Caso não se tenha uma bússola, pode-se orientar por meio do sol. Onde o sol nasce é a direção Leste e onde ele se põe é a direção Oeste. 


Outro modo é pesquisar o mapa da cidade em se que mora e, assim descobrir onde cada direção se situa, usando como parâmetro a sua residência. Caso não se consiga montar o altar na direção Norte devido à impossibilidade do espaço físico, então o monta onde puder, mas podem-se posicionar os instrumentos no altar para que sigam as direções Norte, Leste, Sul e Oeste respectivamente.



ONDE MONTAR O ALTAR?

Geralmente, o altar é uma mesa que não é muito alta, pois assim pode-se ter uma visão total dela e também direcionar as energias nela. 

É preferível uma mesa a qual permita ser transportada, mas não é obrigatório que seja uma mesa, caso não seja possível. Há bruxos que utilizam mesas de vários formatos; mesas que possuem tampões de granito; a base superior de um móvel, a base superior de criados mudos e em prateleiras.

Alguns exemplos de altares mágicos.

Alguns exemplos de altares mágicos.

Outros bruxos preferem montar seus altares em gavetas, pois é uma forma de manter as suas práticas ocultas. Alguns bruxos montam altares sempre que realizam as suas práticas e, depois ao finalizar, eles desmontam o altar, mas é preferível que deixe o altar montado quando se inicia a prática da Bruxaria e Magia, pois é importante criar a relação com o altar. Se não for possível deixá-lo montado, então pode utilizar a prática do montar e desmontar.

Uma vez em que seja encontrado o local onde será o altar e montá-lo, muitos bruxos podem optar em ter objetos para constituí-lo. 

Não é obrigatório ter instrumentos tradicionais, pois o altar é fundamentalmente um local de devoção aos Deuses e ligação com a magia. Outros bruxos preferem montar os altares com os seus instrumentos. Para os bruxos que começam suas práticas de Bruxaria e de Magia sem poder comprar os instrumentos tradicionais por um tempo, estes podem buscar construí-lo com outros objetos, portanto não os impedem de montar inicialmente. Com o decorrer do tempo, eles vão substituindo pelos instrumentos específicos.


OS INSTRUMENTOS DO ALTAR MÁGICO


NORTE: TERRA

Começando pela direção Norte, ela representa os Poderes do Norte e da Terra. 

Os Poderes do Norte e da Terra são de natureza feminina e receptiva, pois estão ligados à Mãe Terra. Ela é representada usualmente pelo Pentáculo.

É importante diferenciar o pentáculo de um pentagrama, pois pentáculos são sempre representados pela estrela de cinco pontas dentro de um círculo e, já o pentagrama sempre é representado pela estrela em si. 

A estrela é a representação da magia por meio dos elementos universais: Espírito, Terra, Ar, Fogo e Água. O círculo representa o infinito.

Pentáculo artesanal, confeccinado com cipó e gravetos.

Pentáculo artesanal, confeccinado com cipó e gravetos.

Para aqueles que ainda não podem comprar um pentáculo, pode-se fazê-lo, desenhando-o em um papel ou pintando-o em uma pedra com um formato mais plano, em argila moldada como um círculo plano ou em uma base circular de xícara de café de porcelana ou em uma base de madeira circular. 

São nestes momentos em que usar a criatividade será de grande valia e não impedirá de ter o altar, em minha opinião, os instrumentos confeccionados são mais poderosos do que os que são comprados, afinal, ao fazê-los você está colocando ali sua dedicação e energia.

Outras representações as quais servem para associar a direção Norte é o próprio símbolo mágico da Terra o qual é simbolizado pelo o sal em si; assim como pedras em geral, moedas, ossos e outros. 


LESTE: AR

A direção Leste está associada aos Poderes do Leste e do Ar. 

Ela é representada usualmente pelo Athame. Assim como o elemento Ar, o athame é um símbolo masculino e, portanto representa o Deus. Isso pode ser observado devido ao formato fálico do athame e a sua natureza projetiva.

Para que seja considerado um athame é necessário que ele tenha uma lâmina dupla, pois quando se traça um círculo mágico ou ao direcionar um jato de energia, a lâmina dupla estará cortando de forma plena e magicamente os planos. Isso é observado ao se traçar um círculo mágico para que assim se estabeleça-o entre mundos. 

Exemplos de Athames, perceba os símbolos do pentagrama e do pentáculo gravado em ambos, comumente magistas costumam decorar seus athames com símbolos de poder com os quais possuem 'afinidade'.

Exemplos de Athames, perceba os símbolos do pentagrama e do pentáculo gravado em ambos, comumente magistas costumam decorar seus athames com símbolos de poder com os quais possuem 'afinidade'.

Geralmente, um athame tradicional tem uma haste em que se o segura; uma lâmina dupla e sua bainha. Há um comprimento mínimo respeitado para a lâmina. Este comprimento mínimo pode ser medido pela palma da mão. Para se saber um comprimento mínimo de lâmina deve-se iniciar a medida da lâmina dupla do punho até o final do dedo médio.

Nem todos athames vêm com a bainha, mas é recomendável que se compre um o qual venha com ela ou se faça a bainha se comprar um sem ela, pois a bainha protege a lâmina e pode ser utilizada magicamente. 

Não é necessário comprar um athame tradicional, hoje em dia, há uma variedade de athames com diferentes comprimentos de lâminas duplas. O importante é respeitar o comprimento mínimo da lâmina dupla e encontrar um athame o qual sinta afinidade, ou então confeccioná-lo.

Outros objetos os quais servem para associar a direção Leste são penas, incensos e seus respectivos incensários, difusor de essências, instrumentos musicais como um pequeno sino, um guizo, uma flauta, um apito, um chocalho, um pequeno tambor ou uma castanhola e outros. 


SUL: FOGO

A direção Sul está associada aos Poderes do Sul e do Fogo. 
Ela é representada usualmente pelo Bastão.

Em algumas Tradições e bruxos escolhem associar o instrumento bastão ao elemento Ar e a direção Leste, pois eles associam o bastão como uma extensão de suas Vontades, assim como o Athame. 

Outros associam o bastão ao elemento Fogo, pois ele é confeccionado tradicionalmente de madeira e, portanto ele é associado ao fogo espiritual, pois a madeira é facilmente consumida pelo fogo. Ele também tem como natureza o elemento masculino e a projeção, além de ter o formato fálico. 

Bastão mágico confeccionado com madeira, o mesmo foi cuidadosamente decorado, é perceptível um cristal na ponta do bastão, isso é feito comumente para facilitar a canalização/direcionamento de energias através do cristal.

Bastão mágico confeccionado com madeira, o mesmo foi cuidadosamente decorado, é perceptível um cristal na ponta do bastão, isso é feito comumente para facilitar a canalização/direcionamento de energias através do cristal.

O bastão tem um comprimento tradicional mínimo a ser levado em consideração, assim como o athame, porém, hoje em dia fica ao critério do bruxo se vai segui-lo como referência sempre ou não. A medição é feita utilizando o antebraço. Inicia-se a medida do cotovelo até o final do dedo médio.

Não é obrigatório possuir somente bastões de madeira. Atualmente, há bastões de inúmeros materiais como os de metal; por exemplo, em que se usam cabos de cobre, de prata ou até de ouro. Algumas bruxas preferem usar suas colheres de pau ou suas agulhas de tricô feitas de metal ou de madeira como bastões.

 Isso pois em tempos nos quais bruxos praticavam a Bruxaria e a Magia de forma oculta, os utensílios de cozinha e femininos eram comuns para usos mágicos, pois além de serem excelentes disfarces, eles poderiam utilizá-los como instrumentos mágicos. Há bastões que se assemelham com as tradicionais “varinhas de condão”, pois são feitos com uma ponta de direção mais fina. Alguns confeccionados de madeira ou de metal.

Outros objetos os quais servem para associar a direção Sul são as velas e os seus candelabros; lanternas antigas com pavios e à base de querosene; lanternas de metal devidamente seladas e consagradas para este uso em específico e outros. 


OESTE: ÁGUA

A direção Oeste é representada pelos Poderes do Oeste e da Água. 

Cálices de metal com símbolos em relevo.

Cálices de metal com símbolos em relevo.

Os Poderes do Oeste e da Água são de natureza feminina e receptiva, pois estão ligados ao Oceano, Rios e Lagos os quais são os princípios que proporcionaram à origem da vida no planeta e constituem a maior parte da Terra. 

Ela é representada usualmente pelo Cálice.

O cálice simboliza o feminino e o seu formato é relacionado à receptividade, pois é aquele o qual contém; e ao mesmo tempo, pode derramar. 

Outras representações as quais servem para associar a direção Oeste são xícaras, taças, conchas, búzios, estrelas do mar, jarros azuis e outros. 


QUINTESSÊNCIA: ESPÍRITO DIVINO

O elemento Espírito é associado ao Divino e à Faísca divina em cada de um de nós, ele é o Centro de um altar mágico.

O elemento espírito é representado usualmente pelo Caldeirão.

Exemplos de caldeirões, existem diversos tipos e tamanhos, como caldeirões de barro, ferro, aço, para se ter ideia, há bruxos iniciantes que por não ter condições de comprar um caldeirão, utilizam panelas com um formato parecido, no final das contas, o que vale é o intento.

Exemplos de caldeirões, existem diversos tipos e tamanhos, como caldeirões de barro, ferro, aço, para se ter ideia, há bruxos iniciantes que por não ter condições de comprar um caldeirão, utilizam panelas com um formato parecido, no final das contas, o que vale é o intento.

O caldeirão simboliza o caos primordial, a caverna escura, o útero de uma mulher. A ideia do moldar o que se deseja com o girar de uma colher de pau. 

Outras representações as quais servem para associar o elemento espírito podem ser imagens da Deusa somente ou seguir a concepção da polaridade e colocar imagens da Deusa e do Deus. 

Imagens representando a Deusa e o Deus, na Wicca.

Imagens representando a Deusa e o Deus, na Wicca.

Outros instrumentos que são utilizados em altares são a vassoura, geralmente pelas mulheres e que tem como elementos a Terra e o Ar; a estaca pelos homens que é uma representação do Deus, espadas para o elemento Ar, dentre outros, isso varia de bruxo para bruxo, de vertente para vertente.

Existem outras formas não usuais de montar um altar, contudo é essencial que se tenha o conhecimento de como se monta um altar e as associações dos instrumentos nele. Muitos bruxos não podem montar um altar de modo usual, devido a divergências em suas famílias, se moram com elas; porque, não possuem um espaço adequado para montá-lo ou eles querem montar altares em outros ambientes fora de suas residências como o local de trabalho ou viajam bastante devido ao trabalho. São em situações como estas que devem utilizar de outros sistemas como parâmetro para montar os altares.



O USO DAS CORES NO ALTAR

Pode-se montar associando-o com cores.
Cada elemento tem cores características.

Os quatro elementos, seus símbolos e suas respectivas cores.

Os quatro elementos, seus símbolos e suas respectivas cores.

Elemento Terra: Verde, associado também à cor marrom.

Elemento Fogo: Vermelho, também associado à cor laranja.

Elemento Ar: Amarelo, associada também ao azul celeste.

Elemento Água: Azul, também associado ao verde marinho.

O elemento Espírito tem as cores furta-cor, cintilantes, iridescentes as quais demonstram todos os aspectos do arco-íris.

Pode-se usar a cor prata ou preto para representar a Deusa, pois ela é a Lua e o Caos, assim como a cor dourada ou branca para representar o Deus, devido a ele ser o Sol e a Ordem, na dualidade, ambos se complementam. 

Estátuas representando à deusa na cor prata e o deus na cor dourada (Lua e sol).

Estátuas representando à deusa na cor prata e o deus na cor dourada (Lua e sol).

Se optar pelo sistema de cores, podem-se usar objetos inusitados para representação de altares como no exemplo de um local de trabalho. 

Podem-se usar clipes de cada cor, por exemplo, e os consagrar com as finalidades dos elementos, por assim se terá um altar e ele será uma representação do que se tem na sua residência e no ambiente em que se trabalha, ninguém perceberá claramente que se trata de um altar. 

Os clipes não são a única forma não usual de se montar um altar. Podem-se usar lápis de cores, apontadores coloridos, bolas de gude desde que respeitem as associações das direções e elementos. 

Outro modo é utilizar-se de pedras para montar um altar atípico, 
mais uma vez a criatividade entra em ação.

Adendo: Lembrem-se que antes de colocar seus instrumentos no altar e usá-los em seus ritos mágicos e necessário purificar e consagrar cada um deles individualmente, para seu uso específico, porém esse artigo se concentra em falar apenas sobre o altar em si, dedicarei um artigo apenas para falar a importância da purificação/consagração e como realizá-la.



CONCLUSÃO

Por mais que as pedras sejam características do elemento Terra, uma pedra pode imanar energias específicas de um elemento ou mais, mesmo sendo um objeto característico do elemento Terra. Então, podem-se escolher as pedras as quais representem um elemento devido ao tipo de energia a qual ela emana, a sua cor etc. Uma pedra pode refletir energias mais femininas e receptivas ou mais masculinas ou projetivas. 

O mais adequado é desenvolver uma relação com o seu altar, independente se ele foi estruturado com objetos e/ou instrumentos característicos.

Magia é a energia que nos cerca e existe em tudo, portanto, moldar a realidade para que ela possa trabalhar em favor de um bruxo é essencial para que se pratique e celebre a Bruxaria e também no ofício do Sacerdócio. 

Com o tempo, o bruxo desenvolve suas aptidões, habilidades, técnicas, conhecimentos, sabedorias e pode chegar ao nível do seu corpo tornar os instrumentos do altar como magia em si, mas para que se chegue a este nível é fundamental que o postulante monte um altar e desenvolva a relação e as práticas com ele, unindo os estudos à prática, com disciplina e ousadia.


Adaptado de: O Arquivo, texto original de Aerin Nerissa 
Iniciada da Tradição Caminhos das Sombras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse sua opinião, ela é bem vinda!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...