segunda-feira, 1 de junho de 2020

Bastidores #4: Vamos conversar um pouco?



Perdemos muito tempo preocupando-se com intuitos e porquês, buscando sentindo para coisas que provavelmente nem tenham sentido (nós quem damos o sentido), e pra ser sincero, não me preocupo mais com isso.

Resolvi criar esse quadro no blog para que pudesse ter um espaço onde possa escrever o que bem entender, sem preocupar-se tanto com a ortografia ou as ideias expostas. No momento um monólogo entre eu e a tela do meu notebook, porém a partir do momento em que alguém ler o escrevo agora, deixa de ser um monólogo e se transforma em ideias, pensamentos e pontos de vista transmutados em palavras, que compõem esse texto.

Assumo que penso muito, minha mente as vezes parece uma tempestade, tanto de ideias criativas quanto de pensamentos inúteis, isso é análogo ao que vem acontecendo no mundo (principalmente no mundo virtual), uma verdadeira tempestade de informações, algumas verdadeiras e úteis, outras completamente falsas e pífias (sempre busco fontes confiáveis antes de compartilhar qualquer notícia ou fato aqui no Mortalha), de fake news e fake peoples o mundo já está cheio, inclusive, ironicamente tenho começado a ser seguido e receber e-mails de diversas contas fakes.

Comentários que muitas vezes criticam (positiva ou negativamente) o meu trabalho aqui no blog, outras posso classificar apenas como spam, mas se é pra sair colocando rótulos em tudo, posso acrescentar que alguns desses comentários poderiam entrar na categoria de relevantes.

(Continue a leitura, mas apenas se for do seu interesse)

[...]


Dei uma pausa para terminar o meu cigarro e adentrar mais em tal linha de pensamento, esse post seria apenas para avisar eu passarei um tempo indeterminado sem publicar nada por aqui (pode ser uma semana, um mês, até um ano, nunca se sabe).

Percebo que criar conteúdo ultimamente tem oscilado entre duas frequências opostas, uma delas é disseminar informações sem muita relevância, muitas vezes até falsas, isso é feito de uma forma bastante formal e totalmente desumana, muitas vezes apenas no intuito de ganhar público e dinheiro.

Já outros artigos, vídeos, podcasts, textos, enfim, qualquer forma de expressão na internet com o intuito de compartilhar informação, realmente possuem uma sensibilidade, eu definiria certos conteúdos como "crus", pois não há uma ânsia ou um intuito por trás de tal atividade, a não ser expressar-se, de uma forma verdadeira e humana.

É certo que muitos criadores de conteúdo ganham a vida dessa forma, e não é esse o ponto em que quero chegar, assim como um médico é pago para salvar vidas, um professor para ensinar, e um gari para varrer a rua da casa de muitos que jogam lixo no chão movidos por um padrão de comportamento inato, quase programado, de que só uma bituca de cigarro ou um papel de bala não faz mal, milhões de pessoas que seguem essa linha de pensamento transformam aquela pequena bituca ou aquele minúsculo plástico em milhões, que poluem as ruas, entopem os bueiros (causando alagamentos), contaminam florestas, rios, oceanos e fluentes, são toneladas de lixo, usei a bituca de cigarro e o papel de bala apenas como exemplo.

Muitos acordam desse torpor e tem um choque de realidade, que os fazem encarar as coisas e a vida por outros ângulos, é criada-se uma harmonia entre o ser humano e a natureza, tanto interior quanto exterior.

Nossos pensamentos nos guiam e nossos atos nos definem!

Mas você deve estar pensando, como cheguei do assunto criação de conteúdo até o ponto de consciência ambiental, bem... isso ao meu ver são rótulos, e uma conversação não necessita de coesão, o único sentido é a troca de informações.

Esse é o ponto que quero chegar, não se trata apenas de consciência ambiental, mas de consciência. Estamos tão mergulhados no mundo virtual que nem enxergamos mais os números 0 e 1, ou então paramos para pensar sobre a consciência que está por trás do aplicativo que acessamos, o artigo que lemos, ou o vídeo que vemos.

Ao parar para respirar e olhar para a forma que vivemos e agimos, percebemos que nossos atos parecem robóticos, e abrimos tantas abas e aplicativos no hardware do cérebro, que muitas vezes bombardeamos o software da mente.

Pensamos demais e sentimos de menos, há de haver um equilíbrio aí, somos nós que programamos a máquina, ou seria ela que nos controla?

Por trás das telas há sentimentos que vão além de uma fria máquina. Conteúdos frescos e quentes, que acabam de sair do forno.

Muitas vezes o problema não é o forno, mas o forma que o utilizamos.

E meditando nessa metáfora, vejo a necessidade (e a inevitabilidade) da mudança, não falo apenas de mudanças aqui no blog (o que era o foco inicialmente), mas mudanças em minha vida, em sua vida, mudanças na forma de pensar, de agir, de produzir e consumir conteúdo, enfim, mudanças contínuas no mundo (real ou virtual), vamos nos adaptando, mas o que não podemos é se habituar tanto a algo ao ponto de se conformar.

Há inúmeras formas de se fazer algo, pra que se limitar tanto?

Além do Mortalha, possuo outros projetos, como minha coletânea artística Catarse Poética, que vocês podem conhecer através do post que publiquei tempos atrás clicando aqui. Também possuo projetos pessoais, metas e objetivos, assim como todos vocês.

Na série Dark (uma ótima obra, a propósito, provavelmente escreva sobre a mesma em um "presente ainda futuro") vemos em uma das temporadas a seguinte colocação:

Vivemos falando que temos tempo, quando o tempo é que nós tem...


Imagem legendada com citações de um episódio da série Dark.


A vida e o seu devir me fizeram perceber que pouco importa o quanto de tempo nós ainda temos, o que é verdadeiramente importante é a forma com que usamos esse mesmo tempo.

E por falar em tempo, fazia certo tempo que não escrevia de uma forma tão direta, despreocupada e sincera. E é isso o que quero e vou fazer aqui no blog, no lugar de agir mecanicamente no intuito de criar posts, escrever de forma humana, compartilhando informações, ideias, pontos de vista e conhecimento com outros seres humanos.

Ao meu ver o conteúdo, a obra, o texto, enfim, a produção mais sincera não é pra ser apenas compreendida, mas acima de tudo: sentida.

Esse raciocínio bagunçou minha forma de produzir, porém de forma positiva, alertando-me de que preciso arrumá-la, ou melhor, sempre arrumar novas formas de criação.

Fazem 3 dias que não acesso nenhuma rede social e mais de uma semana que não publicava nada por aqui, no final do mês passado (especificamente dia 28) meus vinte e um anos findaram-se para conceber os meus 22 anos de existência aqui nesse mundo. Segundo o Calendarr:

"A lua de hoje está 77,23% visível e está crescendo. 
Faltam 4 dias para a fase Lua Cheia."

Não sou astrólogo, mais acredito plenamente na influência dos astros em nossas vidas, principalmente o sol e a lua, ao meu ver luas cheias são perfeitas para colheitas e descanso para a lua nova, momento de novos plantios.

Todo ciclo se encerra para que outro se inicie!

Imagem de Ouroboros


Por fim, me alonguei demais, porém é necessário se alongar bem antes de fazer qualquer exercício, e precisava desabafar algumas coisas da forma que acho mais agradável, escrevendo.

Se você leu até aqui e achou essa narrativa confusa, não se preocupe, ela não precisa fazer sentido. Agora, dando enfase no Mortalha, o site continuará no ar e continuarei trazendo conteúdo, porém necessito de uma pausa para me reinventar, vocês, meus caros leitores, acessam esse domínio para consumir determinados conteúdos, rótulos e mais rótulos que aqui chamamos de categorias, mas enfim.

Não é de hoje que venho efetuando mudanças aqui, mas se é pra criar conteúdo, que seja de forma crua e sincera, se é para compartilhar informações, que sejam relevantes, mesmo que para poucos.

[...]

Gostaria que interagissem mais, alguns expressam suas opiniões e pontos de vista sobre diversos assuntos dos quais publico aqui no Mortalha, o que me agrada, pois é gerado um debate, onde informações são trocadas e é possível ver uma mesma coisa através de diversos pontos de vista, sempre respeitando o "ângulo alheio".

Seria interessante também que dessem sugestões de conteúdos a serem abordados aqui neste antro, recebo, por vezes, e-mails em sua maioria propondo parcerias, e por tocar no assunto, fechei algumas parcerias  do Blog Mortalha com outros projetos, porém, esse é um assunto para outra hora.

Caso tenham algo a dizer, comentar, qualquer coisa... vocês podem usar a caixa de comentários abaixo deste post ou me enviar um e-mail:

blogmortalha@gmail.com 
ou 
davidalvesmendescontato@gmail.com

Como falei, posso passar um dia, uma semana, um mês ou um ano sem postar por aqui, o que posso dizer é que, assim que terminar meus planejamentos os colocarei em prática (aqui e em outros projetos).

Caso demore a voltar, os novos administradores irão compartilhar o conteúdo deles que se encaixem aqui no Blog Mortalha, deixarei que se apresentem por si, acho melhor assim, caso desejarem.

Uma última coisa, se ainda não são inscritos no Mortalha Produções, recomendo que inscrevam-se, pois estou voltando a produzir vídeos, para inscrever-se basta clicar na imagem abaixo.

Banner do canal Mortalha Produções.

Agradeço aos que leram até aqui, além da vontade de se expressar, são também vocês que me motivam a manter esse site no ar. Bem... obrigado e até breve.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse sua opinião, ela é bem vinda!